top of page
  • Foto do escritorEquipe Glósses

Como se tornar um tradutor profissional?

Atualizado: 12 de ago. de 2022

5 dicas para quem deseja entrar no mercado de tradução e que eu queria ter recebido antes de me tornar tradutora



Recentemente, tenho recebido vários e-mails de candidatos a tradutores e percebi que muitos querem iniciar nessa profissão, mas não sabem como. E-mails com erros de pontuação e currículos que não demonstram nenhum conhecimento de ferramentas de Tradução Assistida por Computador (CAT tools) são muito comuns. A profissão é maravilhosa! Permite flexibilidade, caso seja autônomo, e uma constante aquisição de conhecimentos.

Não é necessário ter um curso superior em tradução, a profissão não é regulamentada, qualquer um pode entrar no mercado, mas sobreviver nele é diferente. Nossas duas primeiras dicas são os requisitos essenciais para que uma pessoa se torne um excelente tradutor.


Dica #1 - Tenha proficiência em dois idiomas


Por proficiência quero dizer pleno conhecimento, uma utopia, mas em direção a qual o tradutor deve sempre correr. É imperativo conhecer de forma aprofundada a gramatica e os usos e as variações de formalidade. Nunca deixe de estudar os idiomas com os quais quer trabalhar, afinal o tradutor é um profissional da linguagem e sua principal função é transformar palavras mantendo o sentido e a intenção da mensagem original de seu autor.


Dica #2 - Aprenda sobre técnicas e ferramentas de tradução


Pesquise sobre CAT tools. Sugiro aprender um pouco sobre Memsource, MateCat, MemoQ, Trados e Wordfast. Olhar os sites dessas ferramentas e assistir vídeos sobre elas no Youtube é um bom começo e não custa nada. Quando estiverem fazendo isto, não deixem de olhar as possíveis integrações.

Aprenda a converter e editar inúmeros formatos. É fácil encontrar inúmeras ferramentas e provedores de serviços então descubra quais se adequam melhor às suas necessidades. Eu, por exemplo, gosto muito de trabalhar com Adobe e TransPDF/Iceni.

Leia sites de empresas de tradução e de tradutores para aprender quais tipos de tradução existem e qual você quer fazer. Busque informações sobre técnicas de tradução (aconselho a começarem entendendo o que é literalidade, modulação e transposição).


"Tradução não é uma questão de palavras apenas: é uma questão de fazer uma cultura inteira inteligível." – Anthony Burgess

Dica #3 - Descubra o seu nicho


Agora que você já conhece os tipos de tradução e algumas técnicas, precisa decidir com qual área quer trabalhar. Quer ser freelancer ou CLT ou trabalhar em algum organismo internacional fora do Brasil? Quer trabalhar com tradução técnica ou literária? Prefere a tradução de documentos ou legendagem? Quer ser generalista ou especialista? Se especialista, qual será a sua especialização? Política, Medicina, Hotelaria, Teologia, Programação, Engenharia civil, Contabilidade, Finanças ou outra área?

Antes de responder essas perguntas faça os seguintes questionamentos: No que você seria bom? Por que? Qual área lhe daria mais prazer? Por que?

Seja sincero consigo. Responda-as sem pensar no quesito financeiro, pois ele será satisfeito apenas se você entender qual área corresponde às suas habilidades e definir quem serão os seus clientes com base nelas.

É claro, a vida é flexível, e algumas vezes é preciso desviar do caminho escolhido, mas ter um foco e um objetivo central é crucial para ser bem sucedido.


Dica #4 - Prepare um portfólio


Escolha textos da área com a qual decidiu atuar e traduza-os. Cuidado ao selecioná-los para não infringir nenhum direito autoral. Depois, compile-os em um único arquivo (ou pasta), que poderá ser enviado a eventuais clientes quando requirido ou utilizado para autodivulgação em redes sociais. O portfólio pode ser online ou offline, publico ou privado. Essa é uma escolha que depende das suas noções de conforto, segurança e estilo pessoal.

Ao preparar um portfólio, você também terá suas primeiras experiências como tradutor, mesmo que o trabalho não seja remunerado, e poderá adicioná-las ao seu currículo.


Dica #5 - Adeque o seu CV


Quando um tradutor me envia o seu CV, a primeira coisa que quero saber é com quais idiomas ele trabalha. A segunda é quais CAT tools ele sabe usar. A terceira é quantas palavras ele consegue traduzir em um dia. Assim, é central que o candidato a tradutor prepare seu currículo com especial atenção para realçar essas informações.


Agora é só buscar os seus primeiros clientes


Crie uma conta no ProZ, é uma rede social para tradutores que tem um job board, faça a sua inscrição em sites de trabalho para freelancer, mas não deixem de fazer uma procura ativa usando o telefone e o e-mail. Muitas vezes a oportunidade está lá, na empresa X, mas sem ser muito divulgada.

O importante é você saber quem seus futuros clientes podem ser e não ter vergonha de "dar a cara a tapa". No caminho encontramos muitas rejeições, mas é por meio da procura constante que encontramos quem nos oferece uma chance e acredita em nosso trabalho.



OBS: Se você quiser trabalhar como tradutor autônomo no Brasil, procure um contador para avaliar as opções de regularização fiscal.

OBS2: Caso sinta que precisa de uma ajuda extra, participe de nosso workshop Tradução e o Mercado, para podermos assessorar-lhe passo a passo nesse processo.


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page